domingo, 20 de maio de 2018

O problema do Ranger em D&D 5ª Edição

Olá e bom fim de tarde, caros aventureiros!
Tudo tranquilo com vocês?

Recentemente nas Redes Sociais, vi diversas pessoas falando sobre o Ranger e seus problemas nítidos - que ocasionaram um "rework" (revisão/retrabalho) na classe.
Isso acentuou-se porque o Ranger é, até o momento, a única classe oficial que passou por esse refinamento em suas mecânicas. E isso fez com que nós do Blog nos perguntássemos: Qual é, de fato, o problema do Ranger?

Após alguma pesquisa, acreditamos que tenhamos chegado a uma solução comum. E acredite: a culpa não é apenas da classe!

As pessoas esperam demais do Ranger


O primeiro grande problema de Ranger é que as pessoas esperam muita coisa do Ranger. As pessoas querem que o Ranger cause grandes quantidades de dano, tenha CA alta, faça sua função nas explorações, lide com animais e mais diversas outras pequenas coisas. E esse não é o foco da classe.
Algo que costumeiramente digo sobre o Ranger é que "a classe está para o Guerreiro e o Paladino igual a forma como o Druida está paro o Feiticeiro e o Mago". O Ranger e o Druida não estão ali para causar o mesmo dano que as classes que mencionamos, e sim para conceder um misto entre dano e utilidade, usando controle de terreno, habilidades em área, mobilidade, curas e conjurações. Para constatar isso, basta abrir a lista de magias da classe.
As pessoas que costumeiramente reclamam do Ranger esperam que ela tenha números - seja de dano ou CA - iguais ao Guerreiro e ao Paladino. E obviamente, você se decepciona ao ver que o Ranger não é o que você esperava.

Créditos: Conor Burke

O Ranger não possui jogadas plásticas


O segundo (e para mim o mais grave) problema do Ranger é que é muito difícil, quiçá impossível, determinar quando o Ranger está jogando bem ou está fazendo algo espetacular, algo muito fácil de se notar quando se observa outras classes. E isso impacta diretamente na impressão do jogador sobre a classe.

Por exemplo:

• Você sabe que o Guerreiro está fazendo algo descomunal quando usa o Action Surge para realizar 2/4/6/8 ataques em um mesmo turno (depende do nível da classe);
• Você sabe que o Paladino fez algo incrível quando ele realiza um Acerto Crítico e queima seus espaços de magia para dobrar os dados do Smite Evil, causando toneladas de dano;
• Você sabe que um Bardo fez algo bom quando desequilibra em encontros sociais ou quando distribui suas Inspirações de Bardo com eficiência;
• Você sabe que um Mago é poderoso quando ele solta uma Bola de Fogo;
• Você sabe quando um Clérigo fez boas ações quando ele desequilibra um combate com suas curas;
• Você sabe que um Ladino é bom quando ele nunca fica sob ataques inimigos e consegue sempre usar seu Ataque Furtivo;
• Você sabe que um Ranger é bom quando ele...pois é.

Sendo justo, o Ranger mostra seu valor na exploração (principalmente em seus terrenos favoritos), mas as pessoas que jogam de Ranger não dão o devido valor a parte interpretativa/explorativa, e quando notam que, no combate, ele não é tão bom quanto os Guerreiros e Paladinos, se frustram.

Fazendo um comparativo com outros jogos para afixar a ideia das jogadas plásticas:
League of Legends: Você consegue perceber imediatamente quando um Malphite ou uma Orianna fez uma boa jogada, mas não consegue ter essa sensação quando o campeão se trata de um Yorick, por exemplo;
Overwatch: É muito perceptível quando um Genji ou uma Mercy fez uma boa jogada, algo que você não consegue perceber com um Torbjörn;
Dark Souls: É perceptível que um jogador é bom quando ele acerta o timing do Parry.

Em nenhum momento da classe o Ranger consegue esse brilho, porque a quantidade de pequenas coisas que um Ranger pode fazer acaba por limitar muito a classe - é o famoso faz tudo, mas não faz nada direito.

A função do Ranger


Complementando nosso último tópico, muitas pessoas não entendem a função do Ranger em um combate, aumentando o sentimento de frustração. O Ranger em um grupo cumpre a função de DPS - Dano Por Segundo - que pode ser alterado por Dano Por Rodada -, seja com o Conclave do Caçador ou da Besta.

Enquanto que o Paladino precisa de um crítico para dar suas toneladas de dano e o Guerreiro precisa gastar seu melhor movimento para causar um dano alto, mas passível de erro, o Ranger sempre terá consigo a consistência de dano, o Ranger só precisa gastar sua Marca do Caçador para maximizar seu DPS, e por isso um Arqueiro se sai melhor como Ranger do que como Guerreiro.
Vamos ao dano de um Ranger do Conclave do Caçador com um Arco Longo, no Nível 20, com +5 de DEX:

1D8 do Arco + 5 da Destreza + 1D6 da Marca do Caçador
Dano Normal

+ 1D8 do Assassino de Colossos + 2 do Inimigo Predileto + Mod. de SAB com Matador de Inimigos (se for um Inimigo Predileto)
Dano Opcional

Para aumentar a chance de acerto, o Ranger possui alguns artifícios, como a habilidade Sentidos Selvagens e o Estilo de Combate Arquearia. E, para suprir o número elevado de ataques que o Guerreiro possui, ele pode realizar algumas Reações que permite que ele realize mais um ataque - tudo para que ele acerte o maior quantidade de ataques possíveis.

O propósito do Ranger é esse: acertar o maior número de ataques possíveis e adicionar sua grande quantidade de modificadores em cada um deles, dando a ele um dano mediano - mas constante.

O grande problema disso é que o Ranger só faz isso, o que dá uma pseudo-sensação de inutilidade e mesmice. Em casos onde o Ranger consegue ficar em um lugar seguro e não é alvejável, ele pode ser comparado a uma torreta. Atira, causa um bom dano, mas faz apenas isso.
Fazendo uma nova assimilação com League of Legends, o Ranger é o Varus com a build de DPS: Adquire um monte de bônus on hit  (sempre que acerta) de seus itens e se mantém causando um dano constante, mas não tão expressivo/explosivo quanto uma Sivir ou um Lucian, que com poucas habilidades podem causar quantidades muito maiores de dano, mas que o dano decaí abruptamente após o consumo de suas habilidades.

Um bom Ranger combatente deveria adquirir bônus cada vez maiores para seus ataques, além de obter ainda mais modificadores de acerto em seus ataques. Isso maximiza o seu dano em batalha e aumenta sua eficiência em batalha. Mas, pela mesmice, o Ranger continuará a ser a classe que é impossível identificar quando realizou uma boa jogada - esse é um problema sem solução até então.

O que propõe o Ranger Revisado?


Novamente, sejamos justos: Ele poderia ser melhor mecanicamente. Passo do Ermo é uma habilidade de pouca utilidade - mas com valor quando se tem um Druida no time - e Mimetismo é uma habilidade que é difícil de aplicar. Isso porque o gatilho dela é um tanto quanto complicado de se usar (ficar um minuto inteiro parado). Inimigo Favorito é uma habilidade que perde muito valor conforme a classe adquire mais níveis, e Matador de Inimigos acaba ficando subutilizada porque ela só pode ser usada contra Inimigos Favoritos.
Vamos ver o que muda do Ranger do Livro do Jogador. A imagem abaixo mostra as habilidades originais e, do lado direito, as habilidades novas do Ranger:

Não parece, mas mudou bastante coisa

Inimigo Favorito: Agora você deve escolher entre Bestas, Fadas, Humanoides, Monstruosidades ou Mortos-Vivos, recebendo +2 nas jogadas de ataque. O resto permaneceu o mesmo do Livro do Jogador.

Explorador Natural: Agora o Ranger não escolhe mais um local favorito - ele recebe diversos benefícios independente do local:

• Você ignora terreno difícil;
• Você tem vantagem na Iniciativa;
• No seu primeiro turno do combate, você tem Vantagem ao atacar criaturas que ainda não agiram no combate.

Além disso, quando ele está viajando por mais de uma hora, você recebe os seguintes benefícios:

• Terreno difícil não diminui o tempo de viagem do seu grupo;
• Seu grupo não pode se perder, exceto por meios mágicos;
• Mesmo quando você estiver engajado em outras atividades enquanto viaja (como forragear, navegar ou rastrear), você permanece alerta ao perigo;
• Se você está viajando sozinho, você pode se mover furtivamente com deslocamento normal;
• Quando você forragear, você encontra o dobro de comida que você normalmente encontraria;
• Enquanto rastreia outras criaturas, você também aprende seu número exato, seus tamanhos e há quanto tempo atrás eles passaram pela área.

Consciência Primitiva: Em vez de você poder detectar um grupo de criaturas definidas, você só consegue pressentir os Inimigos Favoritos. Mas há algumas outras mudanças:
• O alcance passou de 1 milha para 5 milhas;
• Você sabe a direção geral das criaturas e a distância em milhas;
• Você sabe o número de criaturas;
• Você não consome espaços de magia, mas precisa se concentrar por um minuto.

Além disso, você ganha a habilidade de se comunicas com bestas, mas não podendo entrar em contato com ela caso você tenha atacado-a no último minuto.

Grande Inimigo Favorito: Escolha um tipo de criatura: Aberrações, Celestiais, Constructos, Dragões, Elementais, Demônios ou Gigantes. Você recebe todos os benefícios de Inimigo Favorito, mas o dano causado contra Inimigos Favoritos aumenta para +4.
Além disso, você tem Vantagem em Testes de Resistência em magias e habilidades usadas por um Grande Inimigo Favorito.

Pés Rápidos: Você pode usar Disparada como Ação Bônus;

Mimetismo: A habilidade não mais necessita mais que você fique parado por 1 minuto para se ter o efeito. Basta você tentar Esconder-se e não se mover, concedendo aos seus inimigos -10 nos testes de Percepção até o início de seu próximo turno. Você perde o benefício de Mimetismo quando se mover ou cair no chão. Se você continuar escondido, pode continuar obtendo os benefícios de Mimetismo;

Matador de Inimigos: Agora ela pode ser utilizada contra qualquer criatura.

Você pode baixar o PDF do Ranger Revisado aqui
___

Eu acredito que a escolha de design foi interessante, concedendo mais opções para o Ranger no combate, inclusive, sugerindo uma Multi-Classe bem interessante com Ladino por conta da habilidade Mimetismo. As habilidades de exploração também foram ampliadas com Consciência Primitiva e Explorador Natural, mas o fato do Conclave da Besta perder o Ataque Extra é um tanto quanto bizarro. Mas para falar do Conclave da Besta e do combate com duas armas (um problema crônico da edição) é necessário um outro post porque esse ficou longo demais.

Isso resolve o problema?
Definitivamente não.
Os problemas persistem, mas eles foram suavizados com a mudança. O DPS dele foi melhorado, ele tem opções de combate além de ficar parado e atirar (principalmente com Disparada como Ação Bônus) e a mecânica de Consciência Primitiva permite novas aproximações e interações entre Bestas e Rangers.

Posso permitir que meu jogador troque o Ranger Padrão pelo Ranger Revisado?
Sim! Você vai aumentar bastante a quantidade de coisas que ele pode fazer. Você e o grupo terão muito mais a ganhar do que a perder.

E você, o que acha do Ranger e da mudança? É positiva ou negativa? Deixe sua opinião no campo de comentários!

Se você gostou do post, não se esqueça de nos seguir nas Redes Sociais, é por lá que anunciamos todas as nossas postagens!
Você pode curtir nossa página no Facebook, nos seguir no Twitter ou no Google+!

Até a próxima!

Outros posts que você vai curtir!
Conheça o Apostador, arquétipo que criamos para D&D 5ª Edição!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Posts Relacionados

House-Rule para Testes de Habilidade de Mike Mearls para D&D 5E

Olá e boa noite! Tudo tranquilo com vocês? Para a galera que acompanha o Twitter dos designers da 5ª Edição de Dungeons and Dragons - ...

Postagem mais visitada